Toque do cirurgião plástico: hipertrofias mamária juvenis

As hipertrofias mamária juvenis são mamas exageradamente grandes na fase da adolescência e adulta jovem”, explica o cirurgião plástico Paulo Roberto Mendes, que atua em Florianópolis e é presidente da SBCP – SC. “As mamas são o símbolo maior da feminilidade, lembra, mas quando elas crescem exageradamente, ultrapassando o tamanho e peso razoáveis, ainda numa idade muito jovem, podem ser um problema”, revela ainda.  lImagens: Internet

A Hipetrofia Mamária Juvenil é uma patologia muito comumente associada ao “Bullying “: as mamas crescem por demais e já aos 18 anos de idade, as pacientes normalmente relatam um enorme desconforto psicológico e corporal. Permanecer com as mamas exageradamente grandes durante toda  a juventude e é quase certa dores na coluna, principalmente lombar e sérios problemas de postura que só se agravam com o passar dos anos.

Jessica Simpson nunca gostou das suas mamas

“As mamas se projetam para frente, pesando de 500g até 1.5kg a mais o que obriga a paciente a assumir postura compensatória, inclinando-se para trás, na tentativa de equilibrar o peso que se projeta para frente em seu centro de gravidade corporal. Não raramente existem jovens, muito antes dos vinte cinco anos, com fortes dores na coluna lombar e/ou cervical” diz.

Diversas patologias da coluna se instalam ao longo dos anos, quando o problema não é resolvido em tempo. Mas é no campo psicológico que identificam-se os maiores danos: as paciente acometidas pela patologia, relatam constrangimento muito grande. Muito comum é a afirmação por parte dos pais, de que a paciente não tem coragem de arrumar um namorado, tamanho o constrangimento. Não raras vezes os parentes das pacientes relatam a falta de vontade da jovem de sair de casa. Parece um paradoxo, nos tempos de hoje, em que observamos uma tendência de aumento das mamas com  silicone cada vez maior. Mas o fato é que a paciente não aceita a situação causada pelo crescimento exagerado das mamas e o relato de “bullying” escolar é comum das pacientes.

-A cirurgia de redução das mamas hipertróficas é indicada, e nestes casos, quando identificado o problema, já aos 18 anos, a cirurgia pode ser realizada.

-Em casos graves, as chamadas Gigantomastias ( mamas gigantes ), pode- se indicar a cirurgia em idades ainda mais jovens, antes dos 18 anos, porque nas gigantomastias, o problema só se agrava e as mamas não param de crescer, o prejuizo para a coluna vertebral é  mais severo e incapacitante.

-O tempo de recuperação normalmente previsto para este tipo de tratamento é de 20 dias e para algumas atividades, como educação física, normalmente se indica uma espera de 2 meses, avaliando-se

-Caso a caso, mas de um modo geral, o retorno ao convívio social é precoce, com 10 dias já é possível retornar às atividades normais que não exijam esforço físico.As técnicas atuais incurtaram o tempo de convalescência pós operatória e melhoraram os aspectos cicatriciais.

-“Na nossa prática , observamos que a redução das mamas hipertróficas ou gigantes, produzem um efeito muito mais significativo do ponto de vista psicológico, do que o aumento das mamas em pacientes jovens que possuem mamas muito pequenas.Poucas cirurgias influenciam tanto no comportamento das pacientes, como a redução das mamas hipertróficas ou gigantes, ainda na idade jovem” relata o médico.

-Antes dos 18 anos, a autorização dos responsáveis é necessária e uma consulta com psicólogo da adolescência ajuda bastante na decisão dos pais, que pode ser difícil de ser tomada e muitas vezes é protelada, mesmo apesar da insistência da jovem.

Sobre Lise Crippa

Sou formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Moda. Atuo em assessoria de comunicação e jornalismo de Moda. O universo Fashion faz parte da minha vida e do meu trabalho.

4 comentários sobre “Toque do cirurgião plástico: hipertrofias mamária juvenis

  1. Em tempos de silicone ler este post é muito bom.
    Garanto que pode ser útil a varias menias, ver que não são as únicas que sofrem com isto.
    Falo isto por experiencia própria, pois com 13 anos já usava sutiã 46 e sei muito bem o quanto desconfortável isto pode ser.
    Queria pedir para replicar este post no meu site, logico que citando a fonte de origem.
    Parabéns e beijos.

  2. Adorei o post. Também tenho esse problema, sofri muito na adolescência. E ainda somando que tenho cifoescoliose. Então, além da auto-estima baixa sempre sofri com fortes dores, durante a adolescência. Hoje sou mais confiante, mas ainda quero realizar a redução de minhas mamas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.