Arquivos da categoria: Saúde

Toque do cirurgião plástico: cirurgia de pálpebras e crescimento dos cílios

“O excesso de pele nas pálpebras se torna evidente, e quase frequente, a partir dos 40 anos de idade. Em alguns casos observamos esse sinal de envelhecimento ainda em idades mais jovens. Bolsas de gordura também podem estar presentes nas pálpebras superiores e inferiores e podem dar ao paciente um permanente aspecto de cansaço”, revela o cirurgião plástico que atua em Florianópolis, é Membro Titular da SBCP e atual presidente da SBCP- SC, Paulo Roberto Mendes Imagens: Reprodução

Madonna teria tirado a pele dos olhos…E outras coisinhas…

-Com o avançar da idade, o excesso da pele pode atrapalhar o campo visual principalmente, pela manhã, quando começa a aparecer dificuldade em abrir os olhos e a pele das pálpebras superiores pesam sobre os cílios. Esta cirurgia é realizada com anestesia local e sedação apenas, e o paciente retorna ao lar logo após o procedimento, sem necessidade de internação.

 

Ilustração: antes e depois

 

-A pele e as estruturas dérmicas das pálpebras são especiais e permitem rápida recuperação. A retirada dos pontos ocorre em apenas dois dias, com cicatrizes quase sempre de excelente qualidade. Avaliar as características de cada olho é essencial para não modificar a expressão do paciente e deixá-lo com “cara de operado “.

Presidente Dilma também fez

-Muitas vezes o problema vem acompanhado de olheiras e a pessoa precisa de análise individual. Em alguns casos, a cirurgia apenas amenizará a aparência, geralmente quando o problema é identificado como familiar, nessas situações os pacientes relatam as olheiras presentes desde a infância.

-A associação dessa cirurgia com a cirurgia de face é muito comum e quase sempre indicada. Os pacientes que se submetem à essa cirurgia experimentam, no pós operatório, uma sensação de conforto do olhar,  relatada em poucos dias após o procedimento.

 

Dr Paulo Mendes- Membro Titular da SBCP

 

Novidade:

-As pacientes ganharam, recentemente, uma opção muito interessante para embelezar o entorno dos olhos: o uso de uma substância que aumenta o calibre e comprimento dos cílios, fazendo-os muitas vezes triplicar de tamanho parecendo até que a paciente está usando cílios artificiais. O uso da Bimatoprosta tópica é recente com a finalidade cosmética, antes utilizado para abaixar a pressão ocular,  por isso o uso deve ser orientado por médico.

 

 

Toque do cirurgião plástico: Lipoaspiração

Meninas, a hora de realizar qualquer tratamento de beleza, para estar em dia no verão, é agora! Se a opção é a lipoaspiração vejam as dicas de quem entende, aqui no Tudo dá Moda: “A lipoaspiração é a mais popular das cirurgias plásticas e tem o maior número de procedimentos realizados no Brasil”, revela o médico de Floripa, Dr Paulo Roberto Mendes, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e atual presidente da SBCP- SC. ” O procedimento é relativamente recente, teve seu início na década de 1970, ainda de forma incipiente, com sua popularização só ocorrendo nos anos de 1980. O cirurgião francês Yves-Gérard Illouz foi um dos principais responsáveis pela popularização da técnica”, revela ainda. Imagens: Reprodução

Famosas que fizeram Lipo. Fonte: Oficina da Mulher
Imagem: Internet
Primeiro modelo de cânula de lipoaspiração, com 12 milímetros de diâmetro (Foto: Divulgação/Richter Instrumentos Cirúrgicos

No início eram utilizadas cânulas grossas (instrumento em forma de bastão oco, que é introduzido na gordura para removê-la por sucção a vácuo). No início estas cânulas muitas vezes deixavam como resultado irregularidades, pois os túneis resultantes abaixo da pele eram de grosso calibre e sofriam uma retração da pele, ficando um mal resultado visível sob a pele.

Hoje com o avanço das técnicas, diminuição do calibre das cânulas e utilização de aparelhos elétricos ou a ar comprimido  chamados vibrolipoaspiradores, que auxiliam muito na remoção e uniformização do resultado, esta cirurgia tornou-se muito amigável para o cirurgião, proporcionando excelentes resultados.

Cânulas utilizadas atualmente, com diâmetros de 2 a 6 milímetros (Foto: Divulgação/Richter Instrumentos Cirúrgicos
Microcânulas de 1,1 a 1,8 milímetros de diâmetro, usadas para injeção de gordura na face (Foto: Divulgação/Richter Instrumentos Cirúrgicos)

 

 

Emagrecer x Modificar a Forma

Lipoaspiração não serve para emagrecer e sim modificar a forma do corpo, retirar gorduras resistentes ao emagrecimento.

Existem diferentes tipos de gordura no organismo. Para efeitos práticos, podemos dividi-las em gorduras superficiais ou metabólicas, que saem facilmente com o emagrecimento e são de um modo geral ruins para serem lipoaspiradas. Estas são responsáveis pelo aparecimento das celulites. Já as gorduras profundas chamadas “de reserva”, não desaparecem facilmente com o emagrecimento, são aquelas gorduras que o paciente se queixa dizendo que já fez de tudo para perdê-las e elas não desaparecem.

A ex BBB Monique revelou que fez lipo 

 

 

Regiões do Corpo

Yvez Gerard Illouz classifica as diferentes regiões do corpo levando em consideração o grau de dificuldade que essas regiões oferecem para os cirurgiões plásticos obterem bons resultados. Fáceis, relativamente fáceis,  relativamente difíceis – que requerem muita atenção do cirurgião -, extremamente difíceis e regiões que não devem ser tratadas.

-Essa classificação considera as regiões lombares como fáceis de serem lipoaspiradas

-Abdome inferior e culotes são relativamente fáceis.

– Abdome superior, região dorsal e braços são relativamente difíceis

-Regiões anteriores e posteriores da coxa e da panturrilha são extremamente difíceis

-Região posterior e internas do glúteo (bumbum), estas não devem ser tratadas.

Portanto, as pacientes devem entender que há limitações técnicas para as diferentes regiões e que o emagrecimento pré-operatório pode ser importante para auxiliar no resultado final, pois ajuda a diferenciar as gorduras rápidas e metabólicas, das gorduras de reserva e boas para serem retiradas.

A qualidade da pele também é determinante para o bom resultado,ela tem que retrair e se adequar ao novo formato do corpo. Este poder de retração da pele depende do colágeno e elastina, que garantem a elasticidade. Com a idade a pele perde a elasticidade e a lipoaspiração fica com indicação mais limitada.

Dr. Paulo Roberto Mendes

Pós-operatório, dor, drenagem e cintas

Os cuidados pós-operatórios são fundamentais para o êxito da lipo. No período logo após a cirurgia, ocorre o acúmulo de líquido nas regiões lipoaspiradas (linfa). A pele fica arroxeada (equimose) e ainda há aquela gordura que não foi removida mas já está destruída mas ainda faz volume abaixo da pele.Pode-se considerar que o desaparecimento do edema – linfa – acontece geralmente 50% em 1 mês, 75% em dois meses e 100% em quarto meses, mas essa regra não pode ser aplicada para todas as pacientes.

O Arroxeado da pele desaparece normalmente em 3 a 5 semanas dependendo do tipo de pele da paciente. Nesta fase a pele arroxeada não pode ser exposta ao sol, pois isso pode provocar uma mancha difícil de desaparecer, podendo levar até 1 ano para a pele se restabelecer. Então, durante 5 semanas a pele sobre as regiões lipoaspiradas não devem ser expostas ao sol em hipótese alguma.

O resultados da lipo muitas vezes continua a aparecer por um período de até um ano após o procedimento. O Uso de cintas de compressão elástica, não muito apertadas, são ótimas no pós-operatório, assim como as drenagens linfáticas. O Uso de aparelhos como ultrasom e endermologia, depois da lipo também pode ser feitos, mas com muita cautela porque podem atrapalhar o resultado. Por isso procure um profissional qualificado e que tenha experiência com pós operatório em cirurgia plástica.

Numa lipoaspiração, normalmente são retirados de 2 a 4 litros, variáveis de acordo com a anatomia de cada paciente.

  A bom resultado da lipoaspiração, ao contrário do que se imagina, depende menos do volume lipoaspirado e mais da habilidade e bom senso do cirurgião em retirar gorduras dos lugares certos e com uniformidade.

Tirem suas dúvidas com o cirurgião plástico :

1- Quanto tempo demora a cirurgia e o pós-operatório? A lipoaspiração pode ser pequena (1h), média (2h) ou grande (3h) levando em consideração o volume a ser lipoaspirado. Em torno de uma hora de cirurgia para cada 1.500 ml de volume lipoaspirado. O acompanhamento pós-operatório normalmente é feito por um período de seis meses

2- A recuperação é dolorida? Posso voltar a trabalhar, praticar esportes, tomar sol em breve? Lipoaspiração pode ser um pouco dolorosa sim. Depende da atividade profissional, tenho operado pacientes que voltam ao trabalho 05 dias após, depende do volume e do tipo de atividade. Esportes e atividades físicas normalmente após 30 dias

3- Precisarei seguir alguma dieta médica durante a convalescença? E, depois, haverá algum plano de alimentação a seguir? Após qualquer cirurgia, o processo cicatricial é beneficiado com uma dieta rica em proteína animal, vitamina C e ferro, que podem ser perfeitamente conseguidos pela própria dieta, com um suco de laranja diário, carnes brancas e verduras escuras.

4- Pessoas de qualquer idade, homens e mulheres, podem fazer lipo? A Idade pode ser um fator limitante sim para lipo, a partir dos 55 anos fica mais difícil à indicação da lipo devido à flacidez de pele e, portanto a pouca capacidade de retração da mesma e acomodação.

5- Ficarei com cicatrizes? Onde? São necessárias pequenos orifícios na pele para introdução das cânulas que por terem um pequeno calibre, podem ser escondidas em regiões do corpo que ficam cobertas pelas roupas. Mas mesmo quando é necessário o posicionamento dessas incisões em áreas expostas, não costumam ser motivo de descontentamento por parte dos pacientes, pois tem um tamanho reduzido de um sinal de pele.

6- Meu corpo pode recuperar a forma que tinha antes da cirurgia, com o passar do tempo? Por quê? Como evitar? A gordura retirada não volta. Mas como a célula gordurosa tem a função de armazenar a energia adquirida com a alimentação, quando, depois da lipo, o paciente engorda, até mesmo a população reduzida de células gordurosas podem duplicar de tamanho para guardar o excedente energético. Portanto, a capacidade  de engordar não é perdida. Porém, quando emagrecemos depois da lipo, o corpo tende a voltar para aquele novo “shape” adquirido após a lipo.

Toque do cirurgião plástico sobre redução das mamas: cicatrizes, quelóides e recuperação

Parece que ultimamente, só ouvimos falar em aumento das mamas, né? Mas a redução é, ainda, uma das mais comuns dentre as cirurgias estéticas. Além de ser indicada para melhorar  a aparência do corpo, também ajuda como recurso complementar no tratamento profilático de certas doenças e como prevenção de problemas causados por mamas muito grandes. O cirurgião plástico Paulo Mendes, que atua em Florianópolis, é considerado um dos profissionais com maior casuística e experiência cirúrgica de Santa Catarina e hoje irá exclarecer as dúvidas sobre as cicatrizes desta cirurgia, dos resultados e sobre o procedimento em si. Vamos às questões? Imagens: Reprodução e Marcos Medeiros

Atriz Fernanda Souza reduziu as mamas
Regina Casé também optou pela redução
Cirurgião plástico Paulo Roberto Mendes – Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e atual presidente da SBCP – SC

 

 

 

1. A CIRURGIA DE REDUÇÃO DAS MAMAS DEIXA CICATRIZES?

Felizmente, esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes bastante disfarçadas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes infalivelmente passarão:

a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo;

b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período há o espessamento natural da cicatriz, bem como se inicia uma mudança de cor passando para mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais;

c) PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após este período.

2. ONDE SE LOCALIZAM AS CICATRIZES?

Geralmente as cicatrizes são em formato de “T” invertido ou âncora e cabem dentro do sutiã. Desde os primeiros dias pós-operatórios poderá ser usado um “decote bastante generoso”, pois as cicatrizes ficam bastante disfarçadas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando menos visíveis.

3. OUVI DIZER QUE ALGUMAS PACIENTES FICAM COM CICATRIZES MUITO VISÍVEIS.

Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara não tendem a esta complicação cicatricial. Pessoas de pele morena têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto, entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.

4. EXISTE CORREÇÃO PARA AS CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz. 

5-COMO FICARÃO MINHAS NOVAS MAMAS, EM RELAÇÃO AO TAMANHO E CONSISTÊNCIA?

As mamas terão seu volume diminuído através da cirurgia, melhorando sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética. A mama, assim operada, passará por vários períodos evolutivos:

a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste Período, apesar de as mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma e volume ainda estarão aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: “NENHUMA MAMA SERÁ “PERFEITA” NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO”;

b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o terceiro mês – Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. É característico deste período um maior ou menor grau de “inchaço” das mamas. Além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição (ver item 1º). Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período, costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do período tardio;

c) PERÍODO TARDIO: Vai do terceiro até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final o grau de elasticidade da pele das mamas. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso. Vai do terceiro até o 18º mês.

6. EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO?

Apesar de o resultado imediato ser muito bom, somente na fase mencionada como “período tardio” (vide item anterior) é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

7. QUAL O TIPO DE MAIÔ DE BANHO QUE PODEREI USAR APÓS A CIRURGIA?

No período imediato, mediato ou tardio, qualquer tipo de maiô, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes, os maiôs poderão ser mais “generosos” ao seu critério.

8. NO CASO DE NOVA GRAVIDEZ, O RESULTADO PERMANECERÁ OU FICARÁ PREJUDICADO?

O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação.

9. O PÓS-OPERATÓRIO DESTA CIRÚRGICA É DOLOROSO?

Geralmente NÃO. Este pós-operatório é bastante confortável, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços nos primeiros dias. Eventualmente poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a automedicação.

10. HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO?

Raramente a cirurgia plástica das mamas determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre as possíveis eventuais complicações.

11. QUAL O TIPO DA ANESTESIA UTILIZADA?

Anestesia local com sedação, peridural ou geral dependendo do caso.

12. QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO?

Em média de 90 minutos até duas horas e meia, se necessário for. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

13. QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?

De 12 a 24 horas.

14. SÃO UTILIZADOS CURATIVOS?

Sim. Curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. Serão trocados inicialmente pela equipe cirúrgica.

15. QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS?

Geralmente são utilizados pontos que serão retirados em torno de duas semanas.

16. QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO?

No dia seguinte, sem molhar a área operada. O banho completo será liberado em torno do décimo dia.

17. QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIA?

Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (vide itens 1 e 5). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto”, não faça disto motivo de sofrimento. Tenha a devida paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente, chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação.

18. QUANDO PODEREI RETORNAR À MINHA GINÁSTICA?

Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores poderão ser reiniciados em uma semana, evitando-se o “alto impacto”. Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar entre 45 a 60 dias.

Adolescentes buscam, cada vez mais, cirurgias plásticas

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), os jovens respondem por 15% das cerca de 800 mil operações estéticas ou reparadoras realizadas anualmente no Brasil (as estéticas tentam harmonizar o “conjunto”; as reparadoras corrigem defeitos congênitos, queimaduras e cicatrizes).

“Os desfiles das semanas de moda, aliados às revistas e catálogos que trazem lindas e perfeitas mulheres, podem causar impacto negativo entre os adolescentes que, diante do espelho, veem seus defeitos evidenciados”, alerta o cirurgião plástico de Florianópolis Paulo Roberto Mendes. Tudo os incomoda: a barriga um pouco saliente, as orelhas em abano e o tamanho dos seios. Diante dessa situação, muitos deles recorrem às cirurgias plásticas para correção das imperfeições.

 

Dr Paulo Roberto Mendes é cirurgião plástico em Florianópolis

Os adolescentes buscam os procedimentos cirúrgicos preferencialmente, no fim da vida colegial (após o ensino médio), tentando adquirir uma imagem diferente para encarar uma nova etapa da vida, dizem os especialistas.

Dados da SBCP mostram que, entre as meninas, as cirurgias mais procuradas são a rinoplastia (correção do nariz ‘batatinha’), a redução de mamas, a lipoaspiração (que é feita em menores apenas quando há indicação médica) e a otoplastia (correção das orelhas de abano). Já os meninos procuram mais a otoplastia, a ginecomastia (redução da mama saliente nos obesos) e a rinoplastia.

Mas não pense que é só decidir repaginar o visual e correr para a sala de cirurgia. Nenhum especialista sério opera meninos e meninas em crise com o espelho, sem levar em consideração uma série de fatores como a idade, as reais necessidades da intervenção e as condições psicológicas e emocionais do paciente.

Os jovens, ou muito jovens, sempre se beneficiam dos procedimentos quando indicados e realizados na faixa etária correta. A operação no nariz deve ser feita a partir dos 16 ou 17 anos, fase em que o crescimento facial terminou. Já a redução ou o aumento das mamas e a lipoaspiração são indicados para quem tem, no mínimo, entre 17 e 18 anos. Fotos: Internet

A única intervenção cirúrgica estética que se pode fazer na infância é a otoplastia. Depois dos sete anos, a orelha não cresce mais. A recuperação ocorre em poucos dias. Após uma semana, pode retornar às aulas.

Os benefícios da plástica em adolescentes são imensos quando a sua necessidade é diagnosticada corretamente – ou seja, quando extirpa um problema que comprometia a vida emocional, social e sentimental do paciente. Ocorre uma elevação impressionante da auto-estima. Muitos jovens chegam a chorar de alegria quando se deparam com o novo visual.

Aos pais temerosos, cabe buscar um profissional de confiança. O medo não deve impedir os adultos de enxergar a necessidade que os jovens têm daquela correção, por conta do trauma que pode surgir no futuro. O melhor caminho é procurar informação e um profissional sério, que traga segurança. Aos apressados, cabe o bom senso. Alguns pais “põem pilha” antes da hora, ou pior, incutem nos filhos desejos que eles não têm. Isso pode levar a uma frustração muito grande, mesmo diante dos melhores resultados, ou expor os filhos a riscos e danos desnecessários.

 

Toque do cirurgião plástico: o que fazer quando as mamas estão caídas

“Algumas mulheres, com o passar do tempo ou, após ganharem bebê observam que as mamas perdem o seu volume e simplesmente murcham, “caem “. Estamos falando da flacidez das mamas advindas da liposubstituição do tecido glandular normal por gordura”, explica o cirurgião plástico Paulo Roberto Mendes, que atua em Florianópolis. Fotos: Reprodução

As mamas, que antes eram mais firmes e glandulares, passam a ser mais flácidas e gordurosas. Nesses casos pode-se recorrer ao uso de próteses de silicone, associandas à retirada da pele redundante das mamas.

Usar próteses de silicones nem sempre significa aumentar as mamas: nesses casos o uso é para garantir firmeza, o que não é mais possível apenas com o tecido mamário que já passou dos quarenta anos de idade, amamentou dois ou três filhos e depois “murchou. “Usar próteses e realizar a “PEXIA ” ( suspensão das mamas ) é a melhor saída. As incisões podem ser bem reduzidas ou até mesmo somente periareolar (pelas aréolas mamárias ), sem a necessidade do ” T ” invertido”, diz o cirurgião. Os tamanhos das próteses variam, mas para este tipo de cirurgia, normalmente, são usadas as de  200 ml e no máximo 300 ml, dependendo da quantidade de tecido mamário. Esta cirurgia é chamada de “cirurgia de implantes mamários com pexia” e de um modo geral, quanto maior o tamanho do silicone escolhido, menor o tamanho das cicatrizes.

 

-O tempo de afastamento do trabalho para realizar esta cirurgia é de aproximadamente oito dias, dependendo obviamente do tipo de atividade profissional de cada paciente. Apesar do uso do silicone, pode-se observar que após a cirurgia, muitas vezes as mamas ficam do mesmo tamanho de antes, só que mais “De Pé”. O formato do silicone a ser escolhido, também pode fazer toda a diferença: mamas com bases muito largas podem se beneficiar de implantes com perfil “Super Alto ” por exemplo, ao passo que outros tipos de mamas podem se beneficiar de implantes com o perfil baixo. As pacientes que utilizam implantes mamários, devem ter a consciência de que suas mamas ficam mais pesadas depois, e portanto o compromisso com o sutiã aumenta.

Sempre usar top ou sutiã para sustentação

-Para exercícios de impacto, o uso de sutiã firme,  associado ao uso de “tops” ajudam a não exigir muito da pele das mamas. A relação do peso do silicone, é praticamente igual ao seu volume em mililitros: uma prótese de 300 ml, pesa aproximadamente 300 g , o que deve ser considerado. A paciente deve estar atenta para não acelerar o processo de “queda ‘ das mamas. A escolha do tamanho deve estar correlacionada com as medidas do diâmetro dos quadris, da cintura e a altura da paciente.

-Pacientes com pouca cintura e baixa estatura, devem estar atentas para não aumentar demais as mamas, para depois não ficarem aparentando “ganho de peso”.

-Paciente com o tórax muito estreito, devem optar pelos implantes com o perfil mais alto, para que as mamas não fiquem com aspecto de “canto vivo ” nas bordas e muito artificiais.

-Os exames de imagens das mamas, para as pacientes que pretendem se submeter a esse tipo de cirurgia, após os 40 anos de idade, é indicado. Mamografia e ultrasom.

-Mamas que já apresentam estrias, sinalizam um colágeno mais fraco , o que deve ser considerado no momento da retirada da pele excedente.

-A posiçãodos mamilos considerada próxima ao ideal , é na altura da metade do caminho de uma linha imaginária que vai do ombro ao cotovelo.

-Na metade dessa linha, é que encontra-se os mamilos nos jovens, e deve ser a altura desejada após a cirurgia de próteses de mama com pexia após os 40 anos.