Arquivos mensais: julho 2014

Com embalagem de Ronaldo Fraga: Flor do Pantanal em itens de beleza que cuidam e perfumam o corpo e cabelo

L’Occitane au Brésil criou a  linha Aguapé, que apresenta shampoo, condicionador e spray extrabrilho, além de água de colônia, loção corporal, e sabonetes nas versões líquido, em barra e em um delicado formato de flor. As embalagens da Aguapé foram desenvolvidas por Olivier Baussan, diretor artístico do Grupo L’OCCITANE, em parceria com Ronaldo Fraga. O estilista, conhecido por suas preciosas criações nas passarelas, assina o design da identidade visual da linha, que faz menção à mais graciosa das flores do Pantanal.

 

 

Gama de produtos

 

Água de Colônia Desodorante Aguapé

Nas versões de 100 ml e 300 ml, a Água de Colônia Desodorante apresenta uma delicada fragrância floral aquática. Formulado com extrato de Aguapé típico do Pantanal, o produto traz um perfume delicado que pode ser utilizado em qualquer momento do dia. Preço: R$ 65 (100ml) e R$ 80 (300ml)

 

Loção Hidratante Desodorante Corporal Aguapé 250ml

Esta leve loção corporal é rapidamente absorvida pela pele, deixando-a desodorizada, hidratada e macia. Com textura suave, o produto conta com extrato de Aguapé típico do Pantanal, e deixa a pele perfumada com uma irresistível fragrância floral aquática. Preço: R$ 50

 

Sabonete Líquido Aguapé 250ml

O produto em gel se transforma em uma deliciosa espuma em contato com a água. Com extrato de Aguapé típico do Pantanal, este sabonete líquido limpa a pele, deixando-a com um delicado perfume floral aquático. Preço: R$ 40

 

Sabonete Suave Vegetal Aguapé 75g

Com extrato de Aguapé típico do Pantanal, este sabonete de base vegetal limpa suavemente as mãos e o corpo, perfumando a pele com uma delicada fragrância floral aquática. Preço: R$ 11

 

Sabonete Flor Aguapé 100g

Os contornos deste item remetem ao design da singela flor do Aguapé, que flutua suavemente pelas águas do Pantanal. Sua fórmula cremosa, que contém extrato de Aguapé típico deste bioma, limpa as mãos e o corpo, deixando um perfume floral aquático. Preço: R$ 21

Decoração: Objetos antes considerados “cafonas” estão de volta e com novas roupagens

Assim como as tendências de moda, que sempre resgatam peças e ícones que fizeram sucesso em outras gerações, a decoração segue a mesma linha e, volta e meia, resgata objetos que foram o maior sucesso em décadas passadas. Hoje, em pleno século XIX, não é incomum encontrarmos nos mais diferentes lares, com as mais distintas personalidades, aquele objeto que marcou uma infância ou que era a cara da sua avó.

De acordo com a designer de interiores Luiza Porto, de Florianópolis, os objetos servem para dar personalidade aos ambientes. “Quanto mais história um objeto tiver para contar, mas vida ele trará para aquela casa, tornando-a um lar de verdade”, acredita. Mas engana-se quem pensa que os objetos “antigos” servem apenas como elementos de decoração. Para a terapeuta do blog Objeteria, Cida Silva, objetos antigos voltam para contar uma nova história e relembrar histórias passadas. “Assim como nós, que, com certeza, ao procurarmos com atenção, temos um pouco de nossas mães, avós etc, os objetos carregam consigo muitas memórias e lembranças”, destaca.

 

Um exemplo de objetos que por um tempo foram rotulados de “cafonas”, mas que hoje estão de volta nos principais projetos de decoração, são os papeis de parede. De acordo com Luiza, este recurso está em alta, já que alia a praticidade com a infinita variedade capaz de modificar qualquer ambiente. “É um recurso bem interessante quando você quer mudar a cara da casa, inserir a sua personalidade ao seu lar e trocá-lo quando sentir vontade”, explica a designer.

E quem não se recorda dos tradicionais pinguins de geladeira? Eles eram símbolo de bom gosto da década de 40, mas após sua popularização nos anos 1960 caíram em desuso e passaram a ser considerados cafonas. Hoje, as lojas de decoração apresentam uma série de pinguins repaginados e com linhas mais contemporâneas. “Os pinguins trazem alegria para a casa e, se antes eram usados apenas nas geladeiras, hoje invadiram as cozinhas e vários ambientes, assim como os anões de jardim que saíram das áreas externas e foram parar nas salas e quartos”. Nesta mesma linha, estão de volta os vasos de Murano, as jarras de abacaxi e as cabeças de bichos.

 

As tradicionais samambaias passaram de peças intocáveis de qualquer residência para indesejadas por longos anos. Mas assim como tudo que vai volta, elas estão recuperando seus espaços nos projetos paisagísticos, dando um pouco mais de vida para salas de casas e apartamentos. “É uma planta não tão valorizada, mas com mais verde e volume do que muitas por aí. Para as casas mais simples ou as mais sofisticadas, a samambaia sempre traz vida ao espaço”, diz Luiza.

 

Ou seja, a dica é procurar no fundo do baú e ver quanta coisa temos guardadas que podiam estar na estante, no quarto ou na sala, deixando a sua casa ainda mais com a sua cara, e, o melhor, contando a sua história.