Sustentável e politicamente correto: conheça o movimento slow fashion que veio para ficar


Você tem ideia que aquela blusa de tricô feita à mão pela sua mãe nunca esteve tão em alta na moda? Seja pelo trabalho artesanal, pela criatividade, exclusividade ou por ela ter durado, e você guardado até hoje. Existe algo mais sustentável? E isso, lógico, não é nem um terço do que o movimento representa para a indústria do setor. O Slow Fashion prima pela conscientização na moda, dá ênfase aos processos e recursos necessários para confeccionar roupas e acessórios com foco especial, e sintonia, para a sustentabilidade. O movimento envolve a compra de peças de melhor qualidade, que durarão por mais tempo e que valorizam o tratamento justo das pessoas, dos animais e do planeta. O termo foi usado pela primeira vez por Kate Fletcher, do Centre for Sustainable Fashion, da LondonCollege of Fashion. Ela é uma das maiores referências na discussão sobre conexões possíveis e impossíveis, entre moda e sustentabilidade.Por Lise Crippa -13 de julho de 2019

Bolsa Donatela Eco e vestido Ro Fumagalli. Foto Dari Luz, especial

Nos primórdios

No período da revolução pré-industrial, o vestuário era produzido localmente. As pessoas compravam roupas duráveis que serviam por muito tempo, ou faziam seus próprios looks com os têxteis e recursos disponíveis. As roupas refletiam o lugar e a cultura das pessoas e acredito que a atual postura slow fashion possa ser um reflexo daquele tempo. Nos últimos anos, uma onda de mudanças tem dado um novo tom para a indústria da moda. Esta nova era chega alimentada por verdades reais sobre as implicações deste setor na vida do planeta.

Moda em movimento

Óculos Dior, bolsa Donatela Eco, saia e blazer Rina e sapato Cris Felipetti. Foto Dari Luz, especial

Um número crescente de marcas e cidadãos está rejeitando os princípios da fast fashion, à medida em que tem surgido uma abordagem mais politicamente correta de fazer a roupa. Acredito que seja um esforço consciente para se afastar do consumismo excessivo, na maioria das vezes incentivado pela indústria da moda rápida e temporal. Já consigo enxergar uma mudança brusca no comportamento do consumidor, forçando as marcas a abraçar a causa e produzir moda de alta qualidade. O foco é o compromisso de criar menos coleções por ano, mas com peças feitas com materiais de alta qualidade.

Por aqui, as amigas Beatriz Freitas Ribeiro, 27 anos, e Camila Yumi Kawata, 30 anos, ambas manezinhas e formadas em Design de Moda pela Udesc, decidiram unir forças e lançar um espaço para abrigar e dar visibilidade para mulheres que empreendem no setor em Santa Catarina. Acabam de abrir a Local Colab, com marcas com design local e autoral e que apresentam o conceito slow fashion em Florianópolis. Movimentar o setor da moda e empreender também são algumas das premissas das lojas colaborativas.

No endereço das meninas, encontrei 14 marcas, todas produzidas por mulheres, que apresentam roupas, acessórios, cosméticos e itens de decoração. Entre elas estão, Atelier 4797, Be.Cult, Cora Oestrem, Donatelo Eco, Rina Lab, RV Swimwear, Sabrina Melo, The Lilled Small Town e Vanille. A grande maioria destas labels são de Floripa, mas há marcas de Gaspar e Massaranduba. Na coluna desta semana mostrarei algumas para vocês.

Na Capital há cerca de cinco outras lojas colaborativas que comercializam os mais diversos produtos, desde vestuário, acessórios, beleza e itens para decoração e casa. As sócias explicam que, diferente da loja tradicional, nesses espaços é possível consumir e ter uma garantia sobre a procedência dos produtos – de onde vêm e quem os fez.

Algumas marcas vendidas nestas lojas fazem todo o processo, sem precisar de terceiros para a produção. No entanto, outras fazem algumas atividades como modelar e cortar e terceirizam as costuras, o que acaba movimentando, também, a cadeia produtiva e gerando oportunidade de ganhos para as costureiras da região.

Olha as marcas que descobri

Rina Lab

Saia e blazer Rina, bolsa atelier 4797, tênis Cris Felipetti e colares Cora Oestroem. Foto Dari Luz, especial

Criação das sócias Beatriz e Camila, criadoras do Local Colab, é uma marca com design contemporâneo e moderno, valorizando o movimento e a praticidade da mulher moderna. Peças com bolsos, materiais confortáveis e design atemporal. Tudo é feito artesanalmente.

Atelie Ro Fumagalli

Bolsa Donatela Eco e vestido Ro Fumagalli e sapatos Cris Felipetti. Foto Dari Luz, especial

A Ro é designer de moda e responsável por toda parte criativa da marca e, ocasionalmente, conta com ajuda das costureiras da região. Produzidas a partir de materiais de descarte têxtil, com modelagens amplas e confortáveis, estilo atemporal e simples, as roupas transitam em diferentes corpos e ocasiões.

Vanille

Vestido Vanille, bolsa Donatela Eco e cinto Gucci. Foto Dari Luz, especial

A Vanille é a criação da designer de moda Michelle Grumiche, que traz peças femininas de 100% algodão ou viscose, produzidas regionalmente – desde o tecido, linha, botão e detalhes. A marca acredita em uma moda brasileira autêntica e de qualidade.Suas peças podem ser usadas em qualquer ocasião desde do dia a dia a eventos sociais.

The Lilled

Sapatos Cris Felipetti, vestido The Lilled, tiara Atelier 4797, camisa Sabrina Melo e bolsa Donatela Eco. Foto Dari Luz, especial

Criada pela designer de moda Bruna Nesi, a The Lilled Small Town é uma marca focada no consumo consciente e na valorização do saber. A Bruna utiliza materiais que não seriam mais utilizados nas confecções e fábricas locais. Ela também busca aquilo que as cidades pequenas têm de melhor: o contato com a natureza e o fazer com respeito, carinho e tempo.

RV Swimwear

Tênis Cris Felipetti, mantô acervo, bolsa Donatela Eco, body RVSwimwear, cinto Gucci e calça The Lilled. Foto Dari Luz, especial

A RV Swimwar foi criada em 2016 por duas irmãs, Fernanda e Roberta Velloso, que decidiram unir a paixão pela atmosfera do sol e do mar, onde cresceram com suas vontades de empreender, para juntas mergulharem nesse universo cheio de cores, formas e texturas.

Sabrina Melo

Sapatos Cris Felipetti, vestido The Lilled, tiara Atelier 4797, camisa Sabrina Melo e bolsa Donatela Eco. Foto Dari Luz, especial

Saindo do mundo das finanças para criar sua marca autoral, Sabrina Melo desenvolve peças de maneira artesanal em sociedade com a mãe, Elizete Melo, que costura as peças com muito carinho. A principal matéria-prima é o linho, priorizando o conforto.

Donatelo Eco

Bolsa Donatela Eco e vestido Ro Fumagalli. Foto Dari Luz, especial

Marina Sartori é a “faz tudo” da marca. Produz bolsas e acessórios com materiais diferenciados e menos nocivos ao meio ambiente, pensando na sustentabilidade desde a produção até o descarte.Suas peças transmitem a sua personalidade.

Cora Oestroem

Saia e blazer Rina, bolsa atelier 4797, tênis Cris Felipetti e colares Cora Oestroem. Foto Dari Luz, especial

A designer Cora Oestroem é responsável pelas peças delicadas e atemporais da marca que levam seu nome. Seu ateliê se divide entre sua casa e a casa de seus pais em Florianópolis, onde peças de latão e cobre banhados a ouro, prata, grafite e ouro velho ganham forma.

A casa das fotos

Isadora Rubim e Carolina Moreira, ambas mães, empresárias e feministas, são as idealizadoras da Casa Âme. O espaço colaborativo em Floripa, tem portas e janelas abertas para artistas, artesãos e pessoas que tenham como eixo norteador a vontade de se desenvolver com consciência e autonomia, mas que se reconheçam como parte do todo.

Apesar da formação acadêmica distinta – Isa vem do Direito e das Relações Internacionais, enquanto Carol do Design –, as amigas encontraram um propósito em comum: a possibilidade de desenvolverem um ofício que está à serviço de mudanças positivas para as pessoas e para o planeta. Antes sócias do Ateliê-tinturaria Âme, que agora faz parte da Casa, a dupla sentiu necessidade de expandir o olhar e abraçar nessa jornada outras pessoas que acreditassem nas microrrevoluções como força motriz para as grandes transformações que desejam ver no mundo.

Em meio à natureza, num ambiente iluminado e aconchegante, a agenda do espaço traz mensalmente uma curadoria cuidadosa de parceiros que têm o mesmo desejo, o de oferecer ao público técnicas e conhecimentos que fomentem o bem-estar do corpo e da alma, elevando os valores humanos e que cuidem do meio ambiente.

Puro charme

A paranaense radicada em Florianópolis desde 2002, Cris Felipetti, é quem comanda a marca de sapatos homônima que nasceu há 11 meses de um desejo dela em comercializar produtos que expressassem o DNA da mulher brasileira, através de peças
atemporais, sensuais e ao mesmo tempo femininas.

A preocupação de Cris com a escolha dos parceiros e fornecedores está alinhada a toda uma cadeia produtiva, que é a base do propósito slow fashion da marca, estabelecendo a importância da conexão entre artesãos, indústria e órgãos fiscais. A nova coleção, com detalhes de Pirarucu, peixe criado em cativeiro com registro legalizado pelo Ibama, surgiu para proporcionar um novo conceito de moda e estilo, com uma pegada cool e exclusiva.

Há algum tempo o couro do peixe deixou de ser totalmente descartado para ser reaproveitado como um subproduto. Além de ser um material nobre, com grande maciez e maleabilidade, traz um toque único às produções. Nessa coleção foram usados três tons marcantes – o caviar, o vermelho e o crema –, contrapondo com o nude do couro bovino. Já os saquinhos, onde são colocados os sapatos, são feitos a partir de algodão orgânico e confeccionados em Florianópolis pelas mãos das costureiras Salete e sua mãe de 80 anos. Uma maneira segura e sustentável de guardar os calçados, com puro charme!

Participaram deste editorial

Produção executiva, produção, styling, pesquisa de moda: Lise Crippa
Modelo: Juliana Amorim – @julianaamorim
Fotos e tratamento de fotos: Dari Luz
Produção de cena: Larissa Maldaner
Beleza: Larissa Maldaner
Agradecimento: Casa Âme

Marcas e lojas participantes: Atelier 4797,Cora Oestroem, Cris Felipetti, Gucci, Sabrina Melo, RVSwimwear, Ro Fumagalli , Rina, The Lilled, Vanille e Donatela Eco

Sobre Lise Crippa

Sou formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Moda. Atuo em assessoria de comunicação e jornalismo de Moda. O universo Fashion faz parte da minha vida e do meu trabalho.