O fator genético da calvície

O Dr Marcelo Evandro, cirurgião capilar aqui de Florianópolis, apareceu na Revista do Clube do Champanhe, edição de número 13 e que circula em todo o estado de Santa Catarina, com um artigo sobre o implante de sobrancelhas, muito bom! Hoje ele dará mais informações sobre a calvície masculina e a influência do fator genético nesta situação. Vamos lá?

Segundo o Dr Marcelo Evandro, “a calvície é de transmissão genética autossômica dominante, ou seja, basta somente a presença de um gene, vindo de um dos pais, para o filho manifestar a patologia. Se o pai ou a mãe tem calvície, o filho tem 50% de chance adquirir a mesma. Se ambos os pais tem calvície ( sendo que o lado materno positivo pode ser a presença de calvície no avô materno ) a chance aumenta para 75%”.

 

Analisando a embriogênese dos cabelos percebe-se que a área que será afetada pela calvície (região frontal, topo e vertex) tem origem em uma determinada região do embrião chamada de crista neural, e que a área que será imune à calvície (laterais da cabeça e nuca) tem origem em uma outra região do embrião chamada de mesoderma.

A diferença na origem embrionária entre a área que é afetada pela AAG e a área que é imune, influencia a resposta dos folículos capilares à DHT, ou seja, somente os folículos da região frontal, intermediária e vertex possuem receptores para se ligarem com o hormônio. Como os folículos da região ocipital não possuem receptores para DHT, nunca sofrendo a miniaturização. Isto possibilita o tratamento da calvície de forma definitiva, através do transplante de cabelos.

 

Dr Marcelo Evandro: Celso Ramos Medical Center (Rua Dom Joaquim, 885 – sala 302). Fone: (48) 3229-0150.

Sobre Lise Crippa

Sou formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Moda. Atuo em assessoria de comunicação e jornalismo de Moda. O universo Fashion faz parte da minha vida e do meu trabalho.

Um comentário sobre “O fator genético da calvície

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.