Na minha coluna da Revista Versar: A moda retorna à geração “paz e amor”

De hippie e glam rock à discoteca ou boemia, eles perpetuam estilos icônicos que permanecem atuais. Uma das décadas mais revisitadas quando se trata de moda, os anos 1970 estão em evidência na coleção Resort 2019 da Valentino e servem de inspiração para esta coluna. Identificados com a peculiaridade e a liberdade de expressão da geração “Paz e Amor”, os designers e amantes da moda continuam atraídos por tudo que diz respeito a estas referências. De hippie e glam rock à discoteca ou boemia, eles perpetuam estilos icônicos que permanecem atuais. Tudo o que você precisa saber é como repaginar essas tendências e reinventá-las para se encaixarem perfeitamente no seu closet.

Óculos Emílio Pucci para Sá Ótica Atelier, cinto Gucci, lenço Montefina, blusa, jeans e bolsa Carmen Steffens (Fotos: Dari Luz/Divulgação)

 

Conexão com o passado

Lenços, maxióculos, shapes soltos, customização com uma pitada intencional de referência à moda street e toques nítidos dos anos de 1970. A moda está, cada vez mais, trazendo elementos para o presente com o intuito de lançar tendências e fazer conexões com a décadas passadas.

Geração Hippie

Lenço Hermès, óculos Karen Walker para Mint Optica, vestido Ateen para Loja Danna, bolsa Montefina, Anel e pulseira Attualità

O vestido e a bolsa com a vibe hippie foram reinventados para a coluna! Em sintonia com o mood 70’s, o vestido traduz o melhor da época. A bolsa da grife Montefina, com mensagens de paz e amor, foi pintada exclusivamente para o editorial pelo tatuador gaúcho Charles Cenzi. O eterno jeans não poderia ficar de fora com suas pernas flare, ou boca de sino, como era chamada na época.

E as pochetes?

Pochete Antonia Handbags, lenço Montefina, argolas Attualità, vestido Carmen Steffens, óculos Karen Walker para Mint Optica

As fanny packs, ou pochetes, tiveram o seu auge em estilos de nylon de cores vivas nos anos 1980. Antes mesmo de se tornarem populares, Donna Summer provou que elas já eram chiques ao amarrar uma delas em sua cintura durante uma performance. Abominado até recentemente, marcas como Chanel e Gucci tiraram o modelo do banco dos réus e, desde o verão de 2017, o shape foi “exorcizado” e está entre os itens de moda mais admirados do momento.

Garimpo

Meu garimpo foi o lenço Hermès que encontrei num brocante, um brechó itinerante, em Paris. Cada vez mais peças afetivas ou adquiridas em viagens, geralmente compradas em brechós, pequenas lojinhas e que não necessariamente custaram caro, entram como itens importantes numa produção de peso ou como marca registrada forte em um look.

Arte e moda

O muro pintado pelo artista paulista Paulo Govêa, no Centro de Florianópolis, que se inspira nos grafites, cartazes e pichações que remetem aos becos de Tóquio, “casou” com a ideia central de fazer as conexões entre a moda e a arte.

Representatividade

Eduarda Brandão

Eduarda Brandão

Pela primeira vez na capa da Versar está a baiana Eduarda Brandão Lisboa Passos, que adotou o nome artístico Eduarda Brandão, 18 anos, e começou como modelo na DN Models de Florianópolis há seis meses. Duda se descobriu transgênero aos 12 anos, lida bem com a descoberta, mas prefere fazer as mudanças gradativamente: “troca de sexo, somente aos 21 anos. Tudo tem seu tempo”, diz a modelo. Eduarda já fez trabalhos locais, como o Trend Talk Iguatemi e a capa da revista Octa Fashion 2018, que circulará em novembro. Duas agências de São Paulo já estão de olho na modelo, que está se organizando para morar na capital paulista em 2019.

Diversidade e propósito

Tenho falado muito sobre as marcas priorizarem uma bandeira, um propósito, para se recolocarem. A grande sacada da vez é posicionar o cliente na linha de frente e no processo de criação do look, seja numa customização ou na elaboração de criações colaborativas.

Dicas de como entrar nesta tendência

Coleção Resort 2019 da Valentino serviu de inspiração (Foto: Vogue/Divulgação)
  • Entre as tendências estão os itens-chave e detalhes pelos quais a década de 1970 é agora conhecida, como tons terrosos, camurça, calças boca-de-sino, franjas e shapes de cintura alta.
  • Bolsas de palha: para passear ao longo da Côte d’Azur, Jane Birkin nunca foi vista sem uma bolsa de palha, pensada como forma de dar glamour, sem esforço, às garotas francesas.
  • Argolas e brincos gigantes: em 1973, Diana Ross sabia que um par de argolas era o único acessório de que ela precisava para dar um aditivo extra ao look.
  • E os cabelos: enquanto algumas meninas preferiam uma aparência natural, as divas de discoteca optavam por cortes desgrenhados. Hippies, por outro lado, frequentemente balançavam uma parte central com ondas fluidas.
  • 70 Celebrity Fashion: Cada década tem suas celebridades e estilos de estrelas. Entre alguns dos nomes mais famosos da década de 1970 estão mulheres como as cantoras Cher, a atriz Farrah Fawcett e Bianca Jagger.

Participaram deste editorial: 
Produção executiva e styling: Lise Crippa
Produção de cena: Larissa Maldaner
Fotos e tratamento de fotos: Dari Luz
Beleza: Larissa Maldaner
Modelo: Eduarda Brandão – DN Models
Locação: Noma Sushi 
Marcas participantes: Attualitá, Antonia Handbags Aldo, Carmen Steffens, Fernè Leather, Gucci, Hermès, Loja Danna, Le Iris, Montefina, Mint Optica, Sá Ótica Atelier

Sobre Lise Crippa

Sou formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Moda. Atuo em assessoria de comunicação e jornalismo de Moda. O universo Fashion faz parte da minha vida e do meu trabalho.