A (re) construção do conceito de luxo

Avisão do ex-modelo e ex-banker  da Merrill Lynch Stefan Siegel, sobre o mercado de luxo, me intrigou. Chamado constantemente para palestrar sobre o futuro desta indústria, ele apresenta uma visão crítico-catastrófica do mundo da moda. Durante seminário da Wired, em São Paulo, dividiu suas experiências com o Brazil Journal. Siegel argumentou que o varejo de luxo está com os dias contados. Para ele, a nova geração tem outra noção sobre o que é luxo e valoriza experiências sobre o consumo.

– Luxo hoje é individualidade. Não é um logo ou uma etiqueta com preço alto diz.

Siegel também fez uma reflexão sobre a forma de remuneração dos criadores, afirmando ao Brazil Journal que os lucros acabam concentrados nas mãos de poucos grandes conglomerados e que é inconcebível que o cachê de celebridades seja mais importante que o valor pago a designers e criadores. Na ocasião, criticou a promoção do consumo desenfreado e o uso de influenciadores.

-As roupas se tornaram irrelevantes. Quando a indústria da moda começa a financiar corações virtuais (likes no Instagram), ao invés de almas verdadeiras, mandamos uma mensagem para as futuras gerações que parecer bonito é o mesmo que criar beleza.

As afirmações de Stefan me instigaram a ouvir outras vozes sobre o tema. Na minha incansável busca por informações em negócios da moda, tentei encontrar um ponto de equilíbrio nestas questões polêmicas atuais que têm que ser discutidas com bom senso.

Divido com vocês as visões particulares de três profissionais que vivenciam este mercado diariamente: Eder Héctor (especialista em Marketing de Varejo); Miucha Sinhor (sócia, estilista e criadora da Montefina, empresa de acessórios e bolsas gaúcha); e Tati Greuel (empresária, psicóloga e criadora da Fernè, marca de roupas em couro catarinense).

Héctor concorda em parte com a visão de Siegel argumentando que o conceito de luxo não é mais o mesmo e que essa mudança não é um fato isolado e pontual,  é uma constante com a qual a indústria vai precisar se adequar.

 

“É interessante observar que não foi propriamente a indústria da moda que inseriu em nossas vidas as novas opções de luxo, mas sim a indústria tecnológica. Eu analiso isso pela observação frequente das pessoas da moda de que o tempo é um grande luxo para eles, de fato é! Imagine liderar equipes para produzir seis ou quatro coleções anuais quase que simultaneamente? Isso estrangula a qualidade de vida de qualquer pessoa, não existe amor ao ofício que suporte isso. No entanto, foi a tecnologia, através dos aplicativos digitais facilitadores do dia a dia, que nos apresentou a possibilidade de ganharmos mais tempo. Nesse aspecto, o mercado de moda tenta se inserir na frenética era digital para agarrar seu grande público consumidor. As grandes casas buscam se reinventar pra atender a demanda pelo novo e não há como dizer que essa empreitada seja um caminho errado, até hoje ela funcionou bem.
 No final do anos 1990, Marc Jacobs em Paris, não apenas colocou a Louis Vuitton lado a lado com as casas que produziam moda (e não somente acessórios) como também inaugurou a era das collabs, seja trazendo artistas plásticos contemporâneos para intervir nas suas coleções ou convidando, o até então apenas músico, Kanye West para assinar um modelo de sneaker. Da mesma forma na Itália, o trio Tom Ford, Carine Roitfeld e Mário Testino reinventava o sexy e a quase esquecida Gucci que simultaneamente, renascia.
Era uma época em que boas campanhas publicitárias e produtos novos dentro de um mix eram o suficiente para chamar a atenção do público. Isso mudou e não foi agora. Os criadores de beleza estão sendo substituídos pelos flexíveis seguidores do mercado, essa geração atenta que respeita códigos, mas enxerga os números e sabe o que conta no mercado de hoje.
As celebridades, pelo bem ou pelo mal, terão cada vez mais espaço, diferente dos influenciadores que levantaram e derrubaram sozinhos aquela que poderia ser a grande evolução da moda no século. Hoje, ninguém sério se importa mais com anônimos alçados à condição de referência com a mesma rapidez que são descartados como irrelevantes. O culto aos anônimos da moda acabou, quem construiu algo deve aproveitar e quem não construiu deve mudar de foco. A nova bota da Balenciaga vai ser mais buscada na internet do que o nome da mulher que a estava usando, o produto nunca foi tão valorizado como hoje. “Eder Héctor – Foto Lincoln Briniak

 

A gaúcha Miucha Sinhor, da Montefina, empresa de acessórios e bolsas baseada no Rio Grande do Sul acredita que a mudança na forma de consumir está atrelada à mudança no mundo, que está cada vez mais dinâmica.

“O mundo está mudando muito rápido e o comportamento de consumo faz parte dessa mudança. Observo que as pessoas estão muito mais interessadas em usar produtos que se identifiquem, não pela marca, e sim pela sua identidade e o que ele expressa. Percebo também que influenciadores digitais têm mais importância e ditam muito mais no consumo do que atores e atrizes, que antes eram desejos caríssimos de grandes marcas. Blogueiras  já estão sendo substituídas pelos influenciadores digitais que conseguem transmitir mais “vida real” para seus seguidores.
A criação da Montefina já é uma realidade dessa mudança de comportamento. Não criamos uma marca para ser apenas um luxo, criamos uma marca que nos identificávamos, que sentíamos falta no mercado e acredito que o nosso sucesso tenha sido muito pelo fato de termos  “uma cara”, uma identidade. As pessoas sabem que falam conosco, são pessoas que criam para pessoas e não visam apenas o faturamento.”Miucha Sinhor – Foto: Manu Zatti

 

 

Tati Greuel, empresária catarinense, psicóloga e criadora da Fernè, marca de roupas em couro legítimo de Santa Catarina argumenta que a sobrevivência das marcas passa por gerar experiências que façam parte de um propósito do consumidor.

Quando falamos em moda, o luxo pode ser qualquer coisa que agregue valor, qualidade, exclusividade e experiência. O luxo hoje afasta-se da ideia de instrumento de diferenciação social e passa a ser entendido a partir da dimensão de satisfação pessoal do consumidor, mas sem perder as características que sempre o acompanham: conforto, elegância, sofisticação, qualidade e especialmente exclusividade. O luxo virou um conceito e não significa que somente uma parcela da população seja consumidora. Muito pelo contrário, é tendência e afetou todas as classes criando novos desejos, novos conceitos. Particularmente, entendo que o luxo hoje não significa mais ostentação. Significa experiência e depende de diversos fatores como beleza, qualidade, nobreza, detalhes, tradição, emoção, escassez. Sou psicóloga de formação e isso me ajudou a entender as necessidades e o imaginário do ser humano. Com o tempo fui percebendo que ansiamos por experiências diferenciadas. As pessoas compram ou deixam de comprar partindo de seus atributos emocionais. Na verdade, elas estão comprando emoções ou comportamento. Hoje temos a busca pelo “eu próprio” essencial, um “novo eu”.  As pessoas não querem mais algo massificado, igual, padronizado.  E o mercado de Luxo ensina lições importantes sobre a criação do desejo – motor da nossa sociedade. O luxo não é pautado pela necessidade básica, mas sim pela noção de prazer. E o que mais me fascina é entender o luxo como comportamento! O luxo de poder  proporcionar a uma cliente aquele vestido nas medidas e detalhes que ela sempre sonhou.”

 

 

Sobre Lise Crippa

Sou formada em Jornalismo, pós-graduada em Marketing e Moda. Atuo em assessoria de comunicação e jornalismo de Moda. O universo Fashion faz parte da minha vida e do meu trabalho.